A nova casa do Telescópio

Faz alguns anos, comecei uma coluna semanal para o Jornal da Unicamp chamada "Telescópio", com um resumo do que de mais legal (em minha opinião) saía na literatura científica mundial e, de um modo ou de outro, chegava à imprensa. Foram, até dezembro do ano passado, 90 páginas produzidas. 

Com a migração do Jornal para a plataforma 100% digital no início deste ano, a coluna passou a ser diária -- ou o mais perto disso que eu consiga fazer -- e as notas foram crescendo em tamanho. Sem o limite de espaço imposto pelo papel dá para explicar um pouco melhor os assuntos, mas ainda assim há a preocupação de não esticar demais os textos.

Ainda estou procurando um equilíbrio entre os temas, para não cair na tentação de só me apegar às pautas "quentes" do dia, tentação que é forte, agora que o online traz a oportunidade de marcar os embargos para imprensa -- isto é, os horários a partir dos quais é permitido divulgar a pesquisa para o público -- em cima do lance. Saber que o assunto que é capa da Science (ou da Nature) tornou-se público às 16h00 e já ter um texto a respeito publicado às 16h01 traz uma espécie de satisfação emocional que, analisada friamente, é meio besta, mas fazer o quê?

No entanto, o velho Telescópio em papel tirava boa parte de seu charme -- ou, ao menos, do que eu achava que era seu charme -- da atenção dada a journals menos cortejados pela mídia, como o Journal of the American Statistical Association, Journal of Propulsion and Power, Journal of Chemical Physics, entre outros. Não quero descuidar desse aspecto. Enfim: as notas do novo Telescópio pode ser encontradas, a partir de agora, nesta página



  

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

"Fosfo da USP" volta a dar chabu em testes oficiais

A maldição de Noé, a África e os negros

Primeiros testes: "fosfo da USP" não funciona e não é "fosfo"