Postagens

Mostrando postagens de Maio 1, 2016

E por falar em cunhas...

Imagem
Muito se tem falado -- e escrito -- sobre a possível (provável?) nomeação do bispo licenciado da Igreja Universal do Reino de Deus (IURD), Marcos Pereira, para o posto de titular do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) num futuro governo de Michel Temer. O ponto saliente aqui é que não só Pereira é um criacionista declarado, como o líder supremo de IURD -- a quem, supõe-se, Pereira deve obediência ideológica e teológica --, Edir Macedo, já escreveu artigos atacando a Teoria da Evolução.

A ideia de que esses fatos tornam complicada a nomeação de Pereira para a chefia do MCTI pode, em princípio, parecer preconceituosa. Por exemplo, em seu famoso discurso de 1960 sobre a laicidade, em que defende uma "separação absoluta entre igreja e Estado", John Kennedy afirma que "a ninguém deve ser negado cargo público por causa de sua religião". As críticas à eventual nomeação do bispo não violam esse princípio fundamental?

Há dois pontos a levar em consideração …

Cérebro semântico

Imagem
A elaboração de um mapa que localiza as regiões do cérebro que reagem ao significado de conceitos semânticos é descrita na edição mais recente da revista Nature. Esse “atlas narrativo” foi criado submetendo um grupo de voluntários a ressonância magnética funcional do cérebro, enquanto ouviam histórias que giravam em torno de grupos semânticos diversos, como “comida” ou “números”. A ressonância acompanhou o fluxo sanguíneo para cada parte do cérebro à medida que as histórias progrediam, detectando que partes do órgão reagiam com maior intensidade a cada palavra.

Um algoritmo foi usado para modelar os resultados, revelando um padrão comum às diversas leituras individuais. O resultado mostrou que o processamento semântico se espalha por mais de 100 regiões do cérebro, e que há associações tanto anatomicamente próximas – uma região estimulada pelas palavras “mãe” e “gravidez” é contígua a outra estimulada também por “mãe”, mas ainda por “casa” – quanto distantes: a palavra da língua ingle…