sexta-feira, 6 de junho de 2014

Contágio emocional no "feed" do Facebook

Um experimento que manipulou o conteúdo do news feed de mais de 680 mil usuários do Facebook mostrou que a exposição a conteúdo emocionalmente negativo leva o usuário a produzir e postar mais conteúdo negativo, e a exposição a conteúdo positivo estimula a produção e postagem de conteúdo positivo. O artigo que descreve o estudo foi publicado no periódico PNAS. (Esta, e outras notas sobre pesquisa científica, estão na coluna Telescópio da edição 600 do Jornal da Unicamp).

terça-feira, 3 de junho de 2014

A "outra" divulgação científica

Semana passada, estive no campus da Unesp de São José do Rio Preto, participando de uma mesa redonda sobre divilgação e popularização da ciência, ao lado de Samuel Antenor, da Agência Fapesp, e do biólogo Renan Garcia, que vem desenvolvendo um projeto de conscientização sobre a anemia falciforme. A mesa fez parte da 30ª Semana de Biologia da Unesp de Rio Preto, organizada por estudantes -- e, mais uma vez agradeço o convite!

Como costumo fazer nesses eventos, levei comigo um texto-base sobre o que queria dizer e, como também costumo fazer, acabei fazendo uma breve apresentação que, se seguiu o texto-base em suas linhas gerais, não chegou a dar conta dele (mesmo porque o público não é obrigado a aturar minha voz maviosa durante a leitura de um ensaio de três páginas). Então, publico, abaixo, a íntegra do que havia preparado:

Creio que não é mais necessário defender de modo muito enfático a necessidade de divulgação do conhecimento científico. Vivemos numa civilização construída sobre esse conhecimento. Nenhuma economia pode esperar sobreviver, nenhum povo pode prosperar e manter-se autônomo se não tiver cidadãos educados nas ciências, capazes de pesquisar, criar, aplicar – engenheiros, médicos, físicos, biólogos, matemáticos.

Também é ponto pacífico que o conhecimento científico não pode ficar restrito aos profissionais que lidam diretamente com ele: da importância de se lavar as mãos antes das refeições aos cuidados necessários com o meio ambiente, da importância das campanhas de vacinação à necessidade de não se abusar do uso de antibióticos, existe muito conhecimento científico que precisa chegar à população em geral, seja por meio da educação formal, seja por outras vias, como a imprensa tradicional, a internet, as redes sociais.

Divulgação e popularização da ciência também são um direito da população e um dever do cientista: é o dinheiros dos impostos que sustenta, afinal, boa parte da pesquisa científica – portanto, nada mais justo que os cientistas que gastam esse dinheiro se dediquem, na medida do possível, a explicar àqueles que não são seus pares o que fazem e por que fazem.

A divulgação científica também tem o que eu chamaria de uma dimensão estética, poética – diria até “espiritual”, mas evito a palavra para não criar maus-entendidos. Da mesma forma que o cidadão comum tem direito aos produtos mais palpáveis da ciência, ele também tem direito ao maravilhamento, ao espanto e ao encanto que a ciência produz: saber que o Universo tem mais de 13 bilhões de anos e está em expansão, que a Terra é apenas um planeta entre milhares de outros, que a luz das estrelas que vemos partiu há milhares de anos de astros que talvez não existam mais.

Os quatro motivadores da divulgação científica que mencionei até agora – educação para o desenvolvimento, educação para a saúde e o ambiente, prestação de contas à sociedade, encantamento e inspiração – são amplamente reconhecidos, contam com profissionais dedicados a eles, seja na universidade, nas agências de fomento, na mídia em geral. Não digo que esse trabalho seja sempre bem feito, ou que as energias dedicadas a ele, hoje, no Brasil, sejam suficientes – na mídia em geral, eu diria que o investimento encontra-se em refluxo e atinge níveis perigosamente baixos – mas, ao menos, a necessidade é reconhecida e as insuficiências, quando não sanadas, são, pelo menos, lamentadas.

Mas todas essas modalidades tratam da divulgação dos resultados da ciência. Do conhecimento científico como um dado a ser apresentado.

O problema é que hoje em dia, isso não basta mais. A quantidade de questões que os cidadãos das democracias contemporâneas são chamados a decidir, e sobre as quais a ciência tem algo a dizer – do aquecimento global à natureza da homossexualidade, passando até mesmo pelos efeitos e causas da desigualdade econômica, questão à qual a revista Science dedicou toda uma seção em sua edição mais recente – é tamanha que, para usar um velho clichê, não basta mais apenas dar o peixe. É preciso ensinar a pescar.

Acho que foi Carl Sagan quem disse que a ciência, mais do que um conjunto de informações e conhecimentos, é um modo de pensar, uma forma de enxergar o mundo. Uma disciplina da mente. Sem entrar na sempre delicada questão de o que é o “método científico”, ou se é possível falar em um “método” único, creio ser impossível negar que há algumas características, por genéricas que sejam, que valem da história à física de partículas: o respeito pela evidência empírica, pelo encadeamento lógico de ideias, a relativização do argumento de autoridade, o estímulo à crítica vigorosa, à dúvida sistemática, a valorização da honestidade intelectual – por exemplo, no princípio de que todos os dados devem ser levados em consideração, não apenas os que apoiam esta ou aquela hipótese.

Essa é a outra ciência – a ciência como postura – que precisa ser mais divulgada, se quisermos um futuro democrático saudável, livre das ameaças da tecnocracia, de um lado, e da demagogia, do outro.
Neste ano, temos eleições presidenciais: da análise correta das pesquisas de intenção de voto à fria autópsia dos dados e discursos dos candidatos, são as ferramentas da ciência, mais que o conhecimento científico propriamente dito, que mais podem ajudar o cidadão. Mas nem precisaríamos do drama eleitoral para justificar essa afirmação.

O brasileiro – e não só ele, mas o homem ou mulher ocidental – é bombardeado diariamente por mensagens, que vão da propaganda de suplementos de ervas para emagrecer a curas quânticas para a insônia, cuja veracidade poucos teriam a competência de avaliar de modo imediato. O metabolismo da gordura ou a natureza das interações subatômicas não são de conhecimento geral, e é improvável que um dia venham a ser. Mas se uma pessoa souber como a ciência funciona – e onde procurar a informação correta – isso poderá ser o bastante para salvá-la de perder dinheiro, intoxicar-se ou coisa pior.

A divulgação do conteúdo das ciências é importante, e precisa continuar a ser feito de modo cada vez mais intenso. Mas eu queria chamar a atenção de todos para essa outra divulgação, tantas vezes ignorada e negligenciada, e que é tão ou mais crucial: a divulgação de o que a ciência é, e de seu modo de usar.

segunda-feira, 2 de junho de 2014

Planetas demais

A abundância de planetas pequenos – com, no máximo, quatro vezes a massa da Terra – descobertos em órbita ao redor de estrelas semelhantes ao Sol é “surpreendente”, diz artigo publicado no periódico PNAS, “já que faltam no nosso Sistema Solar”, onde apenas dois outros mundos, Vênus e Marte, são comparáveis ao nosso. (Leia mais sobre esse novo "paradoxo dos planetas" na coluna Telescópio)