Postagens

Mostrando postagens de Abril 21, 2013

Vivendo a vida motivada

Imagem
Alguma alma caridosa do condomínio em que moro costuma pôr pequenas crônicas motivacionais no quadro de avisos do elevador -- geralmente trocando o texto uma vez por semana. São breves exortações bem-intencionadas, produzidas por um desses gurus engravatados da vida corporativa que, hoje, são mais fáceis de se achar por aí do que fungo em madeira podre, sempre falando como é importante dar duro, ser honesto, tratar bem o cliente, liderar para a vitória, blá-blá-blá, e amar o que se faz. Um texto recente lembrava que "você passa as melhores horas dos melhores anos da sua vida no trabalho" e tentava fazer isso parecer uma coisa boa, como se não fosse, na verdade, uma das constatações mais deprimentes já escritas desde que Jean-Paul Sartre pôs o ponto final em A Náusea.

O que me deixou pensando na relação das pessoas com o trabalho, e em como fomos todos fraudados pelas promessas de transformação profissional que ouvimos lá nos longínquos anos 80. Ou talvez fossem mais antigas?…

E se a vida aqui começou... lá fora?

Imagem
O título desta postagem é um plágio descarado da narração inicial da série Galactica original, mas não resisti: o assunto é um artigo publicado no ArXiv, assinado por dois físicos, que propõe que a vida, tal como existe na Terra, teria começado há 10 bilhões de anos -- o que é uns 5 bilhões de anos antes da formação do Sistema Solar.

O ponto mais interessante ad discussão toda (altamente especulativa, aliás) é que o argumento levantado pela dupla leva à conclusão de que a Terra é o primeiro planeta, em todo o Universo, a abrigar vida inteligente -- o que resolve o Paradoxo de Fermi, embora deva desapontar os ufólogos.

Mas, afinal, que argumento é esse? Trata-se de uma especulação engenhosa: a de que o ganho de complexidade dos seres vivos, ao longo da evolução, obedece a algo como a Lei de Moore, segundo a qual o número de transistores num chip de computador -- e, por tabela, outras características como velocidade e capacidade de memória -- deve dobrar a cada dois anos, aproximadament…