Postagens

Mostrando postagens de Março 25, 2012

Bendito quem semeia livros, livros à mancheia...

Imagem
A postagem abaixo é uma reprodução de uma crônica autobiográfica (e automarketeira) que produzi para o blog da Draco, a casa editorial preferencial de minhas obras de ficção. Como suspeito que o público deste blog não seja exatamente o mesmo de lá, resolvi trazer o texto para cá pra fechar a semana.

Abaixo, a postagem original para a Draco, com apenas um ou dois retoques:


Os leitores da Draco correm o risco de enjoar da minha cara (ou, bem, do meu texto) neste ano: estou confirmado (até agora) nas antologias Space Opera 2,Erótica FantásticaBrinquedos MortaiseFantasias Urbanas; além disso, tenho três títulos-solo alinhavados: a novela de fantasia As Dez Torres de Sangue, a coletânea de contos de ficção científica Campo Total e uma segunda edição de Tempos de Fúria – que estou chamando, cá comigo, de Tempos de Fúria Redux (quero ver o Erick, meu editor, enfiar isso numa capa e fazer ficar bom...). Ah, tem também o meu romance Guerra Justa em e-book disponível na Amazon, Saraiva, Gato …

O último dos bons

Os mais novos não vão se lembrar, mas houve uma época em que o humor, no Brasil, era o último refúgio, não do preconceito e da escrotidão, mas da lucidez. Nos anos finais da ditadura, Luís Fernando Veríssimo, Millôr, Ziraldo e Henfil, entre outros, mostravam-nos, com arte e alegria, aquilo que repórteres e editorialistas não podiam, ou não conseguiam -- que o rei estava nu.

Com a redemocratização, no entanto, o espírito pareceu, por um momento, arrefecer. Millôr foi o primeiro a soar o alerta: "Um espectro assombra o Brasil", escreveu ele, após a vitória de Tancredo Neves no colégio eleitoral. "O espectro do humorismo a favor".

A assombração, no entanto, ainda precisaria de algum tempo para se manifestar: ela só nos alcançou, de vez, com a chegada do PT ao poder. A partir daí, Ziraldo sumiu da cena da crítica política, transformando-se no Walt Disney do Menino Maluquinho; Veríssimo emasculou-se (alguém se lembra da última vez que ele escreveu algo que tivesse um pi…

Têmis, a Justiça cega, viola a laicidade do Estado?

Imagem
Na linha "desculpas esfarrapadas para não desfazer uma flagrante bobagem", alguns defensores da permanência dos crucifixos em repartições públicas (e, mais especialmente, nos plenários dos tribunais) resolveram se lembrar de que a imagem tradicional da Justiça, que aparece em estátuas e pinturas em diversas cortes -- uma senhora de olhos vendados e com uma balança na mão e uma espada na outra -- reflete, na verdade, a iconografia da deusa grega Têmis, e ninguém parece se incomodar com isso. 

Então, se Têmis não incomoda, por que o Crucificado incomodaria? É óbvio que esses laicistas-militantes-assassinos-terroristas estão só de implicância e sacanagem! 

Devo dizer que não me oponho, em princípio, à retirada dessas estátuas, caso alguém realmente insista que deve haver algum tipo de isonomia in extremis. Muitas delas são realmente feiosas. Mas aí o critério é estético, não jurídico. Na esperança de que a tentativa de se criar uma "questão Têmis" seja provocada mais po…