Maratona da Lua: não perca

No início da semana que vem -- entre domingo e segunda-feira, para ser preciso -- a Lua, em fase crescente, vai correr uma maratona: estará junto a Júpiter na noite de domingo, mas na segunda vai tirar uma fina de Vênus. Uma corrida e tanto: os dois planetas estão separados por 700 milhões de quilômetros, e...

Tá. Brincadeirinha. A Lua não vai sair da órbita da Terra, como fez no seriado Espaço: 1999. O movimento será aparente, causado pelo fato de o céu parecer uma tela plana, encurvada, onde as estrelas e planetas desfilam como pontinhos incrustados de luz. Mas isso não diminui em nada o espetáculo: quem se dispuser a olhar para noroeste, logo que escurecer, nos dois dias verá, no primeiro, o crescente bem perto de uma luz meio fraca, Júpiter; e no segundo, a Lua junto à segunda luz mais intensa do céu noturno, Vênus.

Júpiter é o maior planeta do Sistema Solar e Vênus é até menor que a Terra (85% do volume da nossa bola de lama natal), mas a distância que separa os dois planetas de nós faz a diferença no tanto de luz solar que cada um deles reflete de volta para a gente.

Como Vênus está ridiculamente mais perto (a 110 milhões de quilômetros de nós, contra 858 milhões de Júpiter), seu brilho no nosso céu é superado, apenas, pelo da Lua.

O mapinha abaixo, que montei meio nas coxas com base em imagens do sempre amigo Heavens Above, dá uma ideia das duas conjunções, como deverão ser vistas às 19h (acho que clicando dá para ampliar; o trio de interesse está no canto direito dos discos):




Aproveite, então, para levar a(o) namorada(o) lá fora por alguns minutos para olhar para o céu.

Comentários

  1. "estará junto a Júpiter na noite de domingo, mas na segunda vai tirar uma fina de Júpiter."
    Você não quis dizer "... vai tirar uma fina de Vênus."?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, sim. Preciso parar de blogar depois de noites maldormidas...

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

"Fosfo da USP" volta a dar chabu em testes oficiais

A maldição de Noé, a África e os negros

Primeiros testes: "fosfo da USP" não funciona e não é "fosfo"