Postagens

Mostrando postagens de Julho 24, 2011

Deu no New York Times: morre o pai da criônica

Imagem
"Criônica" é o termo usado para fazer referência à técnica de congelar um cadáver para tentar ressuscitá-lo no futuro. O principal divulgador da ideia, Robert Ettinger, morreu nesta semana e foi congelado. Há um belo obituário no New York Times.

Um dado interessante é o de que Ettinger era escritor e fã de ficção científica. A obra de sua vida, a "evangelização" em nome da criônica, veio da leitura da revista de ficção científica Amazing Stories. Some-se isso ao fato de que pelo menos dois ou três dos ganhadores recentes do Nobel de Economia declararam-se inspirados a ingressar nas ciências sociais pela leitura de Fundação, de Asimov, e teremos uma pequena ideia do impacto da ficção científica no mundo real.

Ao longo de minha carreira, escrevi vários artigos sobre criônica. A maioria deles apontava para o dilema envolvido na preservação de um corpo congelado -- por um lado, a solidificação da água nos tecidos causa danos às células; esse dano pode ser evitado por a…

Sorte, riqueza e a ilusão do controle

Imagem
Sorte e acaso são termos que andam meio fora de moda. O ser humano sempre gostou de ter algum senso de controle sobre seu destino, e as atuais teologias da prosperidade, somadas à enxurrada de literatura de autoajuda, só fizeram agravar o processo, vendendo uma supersticiosa ilusão de controle às massas afoitas.

Claro, não se trata de dizer que a sorte é tudo -- preparação, empenho, senso de oportunidade, clareza de visão... tudo isso tem um papel, e um papel importante.

Mas é preciso reconhecer como é forte a tentação de se cair no extremo oposto: achar que todas as coisas que ocorrem, acontecem por algum motivo. Que as pessoas sempre e inevitavelmente merecem o que acontece a elas, seja fortuna ou desgraça.

Em termos teológicos, substitui-se a doutrina paulina da graça -- segundo a qual Deus distribui dores e recompensas de modo inescrutável -- por uma visão supersticiosa, quase mecanicista, do funcionamento dos céus: feitos tais e tais sacrifícios (seja um holocausto de touros ou d…

Einstein e Deus: entre cegos e aleijados

Imagem
“A ciência sem religião é aleijada, a religião, sem ciência, é cega”. Outra: "não pode, verdadeiramente, haver conflito legítimo entre ciência e religião". As duas são máximas de Albert Einstein, retiradas de um artigo que escreveu em 1941, e recolhido no volume Escritos da Maturidade. Não raro aparecem -- principalmente a primeira -- em discussões sobre, exatamente, os conflitos entre ciência e religião.


Geralmente, são invocadas em um tom de finalidade, para definir a conversa, o subtexto sendo: "Einstein, que era um cientista fodão, dizia isso; e você, palhaço, quem pensa que é?"


Não nego, claro, que o argumento tem algum poder heurístico -- a opinião de grandes cientistas sobre o que entra (ou não) em conflito com a ciência tem lá seu valor. Mas mesmo grandes cientistas podem errar, nesse aspecto: Newton e astrologia logo vêm à lembrança.

No entanto, citações são de muito pouca valia quando retiradas do contexto adequado. A frase de Einstein sobre não haver conf…

Cantor e o problema da onisciência

Imagem
Semana passada, eu mencionei aqui a análise feita pelo filósofo Patrick Grim sobre o "Paradoxo da Pedra", um raciocínio que indica que a onipotência, como normalmente entendida, é uma noção contraditória e incoerente. Grim, no entanto, é mais famoso -- na medida em que um filósofo contemporâneo pode ser "famoso", claro -- por ter descoberto o que ele acredita ser uma prova de que outra propriedade normalmente associada à figura de Deus, a onisciência, é impossível.

A prova de Grim é chamada de "argumento cantoriano", porque deriva de resultados obtidos originalmente pelo matemático Georg Cantor. Simplificando bastante a coisa, e evitando uma linguagem excessivamente enrolada (com coisas do tipo, "o conjunto de subconjuntos de um conjunto é um conjunto..."), poderíamos dizer que Cantor demonstrou, muito tempo atrás, que todo conjunto pode ser usado para criar outro conjunto com mais elementos do que si mesmo. Por exemplo, a partir de {1,2,3} é po…

E Copérnico ganha mais uma

Imagem
Se você já leu tanta divulgação científica quanto eu, provavelmente está meio acostumado à ideia de que a vaidade humana recebeu diversos golpes nos últimos 600 anos, primeiro com Copérnico e Galileu, que nos tiraram do centro do Universo; depois com Darwin, que pôs o homem como mais um animal entre outros; com Freud, que mostrou que o ser humano não é senhor, sequer, dos próprios pensamentos; e, por fim, com Hubble, que descobriu que a Via-Láctea é apenas mais uma galáxia entre uma infinidade de outras, num Universo em expansão.

O quadro acima é razoavelmente correto, mas requer alguns ajustes.

Primeiro, a posição de centro do Universo que a Terra tinha no pensamento medieval não era exatamente coisa de causar vaidade -- muito pelo contrário: na cosmovisão da época, o centro era também a parte mais baixa, para onde escorre tudo que é grosseiro, impuro, sujo -- a Terra, no centro do Universo, cumpria uma função análoga à do ralo no centro da pia.

Segundo, a colaboração de Freud é larg…

Se Deus existe, então tudo é permitido

Imagem
A frase-título desta postagem é, se não me engano, um dos slogans da campanha da ATEA. Decidi usá-la para encabeçar minha postagem a respeito do atentado na Noruega porque a tragédia nórdica é uma ilustração bem clara do significado mais profundo do slogan.

(Aliás, alguém poderia em explicar por que os maníacos da Al-Qaeda sempre são chamados de "terroristas islâmicos", mas o cavaleiro templário de Oslo é um "extremista de direita" e não um "terrorista cristão"? Seria mais uma questão da multiplicidade dos pesos e medidas na mídia brasileira? Este editorial do Estadão chega ao cúmulo da delicadeza, calçando luvas de pelica para dizer apenas que o assassino "se definia como cristão conservador". Tá, mas por que, então, não calçar as mesmas luvas e afirmar, por exemplo, que Osama bin Laden "se definia como muçulmano"?)

A questão envolvendo Deus e o que é permitido ou proibido faz parte de um campo de estudos conhecido como o das fundaçõe…

Homeopatia, espiritismo e o poder de uma hipótese

Imagem
Não sei como andam as coisas nas editorias de Ciência dos jornais hoje em dia, mas nos anos em que cuidei do assunto, no Estadão.com.br, era com uma certa frequência -- digamos, uma vez a cada trimestre -- que aparecia, na caixa de e-mail ou entre as sugestões trazidas por colegas de outras áreas, a notícia de um estudo "provando" a eficácia da homeopatia em animais (ou no combate de alguma aflição humana específica) ou de uma pesquisa a confirmando a existência de forças espirituais, e/ou a respeito do "poder de cura" de certas práticas mediúnicas.

Exatamente uma única vez, chamaram-me a atenção para um trabalho realizado na UnB que teria provado a validade da astrologia.

Estudos assim sempre me deixavam estupefato. Se tivessem sido realmente bem executados e suas conclusões fossem válidas, deveriam estar sendo publicados na Science ou na Nature -- sendo esta última, historicamente, uma publicação bastante aberta a conclusões polêmicas, tendo dado guarida, por exe…