Postagens

Mostrando postagens de Março 27, 2011

Meu problema com a blasfêmia

Imagem
Antes que o título desta postagem cause algum mal-entendido: sou totalmente a favor da blasfêmia. Um dos itens que mais valorizo em minha biblioteca é a clássica edição da revista Free Inquiry que publicou todas -- todas -- as caricaturas dinamarquesas de Maomé que tanto furor causaram alguns anos atrás.

Amaldiçoar, sacanear e ridicularizar divindades é um passatempo antigo e honrado, que deveria ser declarado patrimônio da humanidade pela Unesco. Em linhas mais gerais, eu diria que uma ideia que não é capaz de sobreviver a uma sátira não era uma boa ideia, para começo de conversa.

Meu problema com a blasfêmia, que volta a incomodar por causa da recente onda de violência em reação a uma queima do Alcorão, é outro: por que uma divindade tão maravilhosa, fantástica, onipotente e fodesdástica como supostamente são os deuses que o povo gosta de adorar por aí haveria de se incomodar com sacanagens feitas por merdinhas como nós?


Digo, eu tenho poder de vida e morte sobre as formigas que freq…

FNAC Paulista, hoje, a partir das 19h

Imagem
Acontece o lançamento de Assembleia Estelar, livro de contos sobre ficção científica e política que inclui, entre outras joias, Vemos As Coisas de Modo Diferente, uma pequena obra-prima de Bruce Sterling sobre o "choque de culturas" entre a democracia ocidental e o islã.

Publicado antes dos ataques de 11/9, o conto foi, previsivelmente, tratado como "profético" depois que as torres caíram -- mas hoje, diante dos eventos na Tunísia, Egito e Líbia, convida a uma leitura um tanto quanto diversa.

Como os leitores assíduos deste blog sabem, o livro inclui ainda um conto meu, Questão de Sobrevivência. Por conta disso, estarei lá! Os amigos que quiserem aparecer para dar um "oi" em pessoa serão mais do que bem-vindos.

Continuando na nota pessoal: ontem enviei meu segundo artigo em inglês para o blog de James Randi -- assim que souber quando (e se) será publicado, aviso.

Ao contrário do primeiro texto meu para lá, que era uma tradução/condensação de uma postagem …

E, apresentando: Debussy

Imagem
A cratera raiada acima, Debussy, é a principal atração da primeira imagem jamais feita a partir da órbita do planeta Mercúrio. Ela foi obtida pela sonda Messenger, da Nasa, e registra o terreno a 53,3º latitude sul, 13,0º longitude leste.

A Messenger entrou em órbita de Mercúrio no último dia 17, e a foto acima foi tirada ontem, dia 29. Mercúrio se encontra atualmente a 107 milhões de quilômetros de nós. Isso significa que a luz -- bem como as ondas de rádio usadas pela Messenger para se comunicar com a Terra -- leva 6 minutos para viajar de lá para cá.

O nome da cratera raiada é uma homenagem a Claude Debussy (1862-1918), importante compositor francês. Como já expliquei em outra postagem, todas as crateras de Mercúrio recebem nome de artistas.

'Eles riram de Einstein, de Galileu...'

Imagem
Preenchendo uma lacuna imperdoável em minha formação, finalmente estou lendo The Making of the Atomic Bomb, monumental livro de 800 páginas de autoria de Richard Rhodes e que é, possivelmente, a melhor peça de jornalismo científico/história da ciência de todos os tempos.

Rhodes costura, de forma extremamente hábil e com sensibilidade de romancista, os avanços científicos que tornaram a bomba possível; a biografia dos homens (e mulheres) responsáveis por esses avanços; e as condições históricas e sociais que tornaram a bomba real e que levaram a seu uso, começando nos primórdios da física atômica, de um lado, e no papel da ciência na criação de armas (como gases letais e munições) para a I Guerra Mundial, de outro.

Uma das muitas coisas que chama atenção nesse quadro -- e que de que gostaria de tratar nesta postagem -- é o número de ideias tidas como "absurdas" ou "inviáveis" que se mostraram corretas em todo o processo.

Em dado momento, era consenso entre pesos-pes…

Nômade na escola!

Imagem
Hoje passei a manhã inteira no Colégio Leonardo da Vinci, conversando com alunos do 1º ano do Ensino Médio (é assim que se chama ao o Primeiro Colegial atualmente?) sobre meu romance juvenil Nômade (link para venda na coluna à direita).

Eu já havia conversado com jovens leitores antes -- há alguns anos, o mesmo colégio adotara meu volume de contos Tempos de Fúria -- mas, claro, cada classe e cada geração tem características próprias. Foi muito engraçado ver a conversa derivar, numa classe, para a Teoria da Relatividade (afinal, por que Nômade demora tanto para chegar a seu destino?) e, em outra, recomendar a leitura de Philip José Farmer, Philip K. Dick, Rex Stout e Homero, atendendo à solicitação de um jovem leitor voraz por indicações.

Também me perguntaram como a gravidade artificial da nave funciona, ao que tive de responder que não faço a mais mínima ideia. Outras questões, como até que ponto o que está no livro pode acontecer ou é factível e por que eu decidi respeitar as leis d…